MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país

MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país
Grande manifestação prol liberdade em Cuba
MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país
MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país
MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país
MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país
MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país
MUNDOCuba tem protesto massivo contra o governo ditador e tem internet cortada em todo país

 

Milhares de cubanos foram às ruas da capital Havana e outras cidades do país, neste domingo (11), em protesto contra o governo. Os manifestantes pediam “liberdade” e o fima da ditadura, além de protestarem contra a pior crise econômica e sanitária que o país enfrenta.

Mais de mil pessoas se reuniram diante da forte presença de militares e policiais, que levaram muitas pessoas presas.

Grupos organizados de apoiadores do governo também estiveram presentes, que gritaram “Eu sou Fidel” ou “Canel, meu amigo, o povo está contigo”, em alusão ao presidente Miguel Díaz-Canel.

O protesto foi histórico, por ser a primeira vez que um grande grupo de cubanos vai às ruas de Havana para protestar contra o governo desde a crise econômica de 1994. O país sofre uma grave escassez de medicamentos, produtos básicos, alimentos e também atravessa a terceira e pior onda de Covid-19.

O presidente cubano Miguel Díaz-Canel chamou de “mercenários pagos pelo governo dos EUA” os organizadores dos protestos. Mais tarde, fez um pronunciamento ao vivo na televisão estatal e pediu para que seus apoiadores estejam prontos para o “combate” em resposta aos atos. Após as manifestações, o serviço de internet móvel em todo o país foi cortado, presumivelmente para impedir a divulgação de vídeos dos protestos e reduzir a capacidade de reunião dos participantes.

O Tempo